Treinamento de força e hipertensão arterial – por Alexandre Correia Rocha

26/08/2011

Treinamento de força e hipertensão arterial – por Alexandre Correia Rocha

Uma alternativa para controle e prevenção dessa patologia, a hipertensão, é a prática regular do exercício físico. Por motivo de segurança, facilidade no controle da intensidade e desconhecimento das alterações da pressão arterial (PA) frente a uma sessão de exercício resistido (ER) e/ou programa de treinamento resistido (TR), os exercícios aeróbios foram os mais estudados e recomendados. Até o início dos anos 1990, o TR, também chamado de treinamento de força, com pesos, contrarresistência ou musculação, não eram contemplados em diretrizes internacionais (UMPIERRE e STEIN, 2007). Graças aos esforços de diversos autores e ao grande número de pesquisas recentemente publicadas, o TR está sendo recomendado para todas as populações como mais uma estratégia para profilaxia e tratamento de doenças crônico degenerativas, inclusive para aqueles que sofrem de HAS (PESCATELLO, 2004; AHA, 2000).

Sabe-se que o TR também proporciona alterações subagudas e crônicas que são benéficas para o controle da PA e estas alterações são evidenciadas em sujeitos hipertensos e normotensos. Bermudes e cols. (2003) verificaram o efeito hipotensivo após uma sessão ER em forma de circuito em sujeitos entre 40 e 50 anos, normotensos e sedentários e não evidenciando alterações significativas da PA em relação ao repouso após o exercício e durante o período de sono quando avaliada pelo MAPA. No estudo realizado por Polito e cols. (2003), foi observado efeito hipotensor após uma sessão ER, no entanto, a magnitude não diferiu quando a intensidade do treino foi alterada. Agora, com relação às respostas subagudas do ER em hipertensos, alguns estudos também destacam a hipotensão pós-exercício. Melo e cols. (2006) verificaram diminuição da PAS (-12±3 mmHg)  e PAD (- 6±2 mmHg) por até 10 horas em mulheres hipertensas em uso de captopril pós-sessão de ER para membros superiores e inferiores. Costa e cols. (2010) também observaram hipotensão após uma sessão de ER em idosas hipertensas treinadas e não treinadas. Segundo os autores, os resultados foram mais consistente nas voluntárias não treinadas. Segundo Polito e Farinatti (2006), embora alguns estudos não apresentem diferenças significativas, estas podem estar associadas a volume, intensidade do ER, como também período de monitoração da PA.  No entanto, segundo os mesmos autores é possível identificar a hipotensão pós-exercício tanto em pessoas normotensas quanto hipertensas. É importante destacar que sujeitos com maiores valores de PA apresentam maiores hipotensões pós-exercício (NEGRÃO e BARRETO, 2005).

Agora, com relação ao efeito crônico do TR, diversos estudos apresentam resultados satisfatórios no que diz respeito ao controle e à manutenção da PA. Nos estudos de revisão de Kelly (1997) e Kelly e Kelly (2000), foram encontradas reduções médias de 5 mmHg para a PAS e 4 mmHg para a PAD e 3 mmHg para a PAS e 3 mmHg para a PAD em jovens normotensos, respectivamente. Além disso, parece que sujeitos de idade avançada também se beneficiam do efeito crônico do ER. Com base nos estudos encontrados, embora escasso e controverso, o TR também pode desencadear efeito hipotensor em indivíduos idosos normotensos e esse efeito ocorre, principalmente, quando o treinamento é de baixa intensidade (QUEIROZ, KANEGUSUKU e FORJAZ, 2010). Entretanto, Terra e cols (2008) evidenciaram reduções médias de 10 mmHg (PAS), 1 mmHg (PAD) e 6 mmHg para a PA média após TR de 12 semanas em idosas hipertensas controladas. Vale destacar que pequenas reduções nos valores da PA já são suficientes para reduzir de forma marcante os riscos associados a HAS. Segundo Pescatello e cols. (2004), reduções 2mmHg na PAS e/ou PAD podem reduzir na população geral o risco de acidente encefálico em 14% e 17%, respectivamente, e o risco de DAC em 9% e 6%, respectivamente.

Além disso, apesar de ainda não serem claras as adaptações da PA em resposta ao TR, outros fatores como alterações metabólicas (melhora da sensibilidade a insulina, aumento e/ou manutenção HDL colesterol e redução e/ou manutenção do LDL colesterol), osteomusculares (redução da gordura corporal, aumento da força, massa muscular e densidade mineral óssea) e funcionais (vaso dilatação e consequentimente redução da carga vascular e melhora da capacidade de desempenhar as atividades da vida diária), fatores que contribuem para o surgimento e/ou agravo da hipertensão arterial e comorbidades associadas, são influenciados de forma positiva após um programa de TR (WALLACE 2003; POLITO e FARINATTI, 2003; UMPIERRE e STEIN, 2007; WILLIAMS e cols., 2007; BRAITH e STEWART, 2006).

Sendo assim, devido aos vários benefícios associados ao TR, pesquisas que avaliam intensidade, duração, carga, repetições, intervalo e intensidade do programa de treinamento são de grande importância para verificar qual protocolo seria o mais indicado para os sujeitos com HAS.

Referências Bibliográficas

* UMPIERRE, D.; STEIN, R. Efeitos hemodinâmicos e vasculares do treinamento resistido: Implicações na doença cardiovascular. Arq. Bras. Cardiol. 89(4):256 ? 262, 2007.

* Pescatello LS, Franklin BA, Fagard R, Farquhar WB, Kelley GA, Ray CA. Americam College of Sports Medicine. Exercise and hypertension. Med. Sci. Sports Exerc. STAND POSITION, 2004.

* American Heart Association.  Resistance Exercise in Individuals With and Without Cardiovascular Disease: An Advisory From the Committee on Exercise, Rehabilitation, and Prevention, Council on Clinical Cardiology. Circulation, 101(7):828, 2000.

* BERMUDES, M.L.M; VASSALO, D.V.;VASQUEZ, E.C.LIMA, E.G. Monitoração ambulatorial da PA em indivíduos normotensos submetidos a duas sessões únicas de exercícios: Resistido e Aeróbio. Arq Bras Cardiol, 82(1):57 ? 64, 2003.

* POLITO, M.D.; SIMÃO, R.; SENNA, G.W; FARINATTI, P.T.V. Efeito hipotensivo do exercício de força realizado em intensidades diferentes e mesmo volume de trabalho. Rev Bras Med Esporte. 9(2):69 ? 73, 2003.

* Melo CM, Alencar-filho AC, Tinucci T, Mion JR, Forjaz CL. Postexercise hypotension induced by low-intensity resistance exercise in hypertensive woman receiving captopril. Blood Pressure Monitoring 2006, 11:183-189.

* Costa JBY, Gerage AM, Gonçalves CGS, Pina FLC, Polito MD. Influência do Estado de Treinamento Sobre o Comportamento da Pressão Arterial Após uma Sessão de Exercícios com Pesos em Idosas Hipertensas. Rev Bras Med Esporte, 16(2): 103 ? 106, 2010.

* Polito MD, Farinatti PTV. Comportamento da pressão arterial após exercícios contra-resistência: uma revisão sistemática sobre variáveis determinantes e possíveis mecanismos. Rev Bras Med Esporte, 12( 6): 386 – 392, 2006.

* NEGRÃO, C.E.; BARRETO, A.C.P. Cardiologia do exercício: Do atleta ao cardiopata. São Paulo, Manole, 2005.

* KELLEY G. Dynamic resistance exercise and resting blood pressure in adults: a meta-analysis. J. Appl. Physiol.82(5): 1559?1565, 1997.

* KELLY, G.A. e KELLY, K.S. Progressive resistance training and blood pressure: A meta-analysis of randomized controlled trials. Hypertension, 35(3):838 ? 843, 2000.

* Queiroz ACC, Kanegusuku H, Forjaz CL M.Efeitos do treinamento resistido sobre a Pressão Arterial de idosos. Arq Bras Cardiol, 95(1):135-140, 2010.

* WALLACE, J.P. Exercise in Hipertension, Sports Med. 33(8): 585 ? 598, 2003.

* POLITO, M.D.; FARINATTI, P.T.V. Resposta de Freqüência cardíaca, PA e duplo ? produto ao exercício contra resistência: uma revisão da literatura. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 3(1):79 ? 91, 2003.

* Williams MA, Haskell WL, Ades PA, et al. Resistance exercise in individuals with and without cardiovascular disease: 2007 update. Circulation,116: 572 ? 584, 2007.

* Braith RM and Stewart, KJ. Resistance exercise training: Its role in the prevention of cardiovascular disease. Circulation, 113:2642-2650, 2006.

Anúncios

Sobre Dionizio Neto

Professor de Jiu-jitsu e treinamento físico para luta!
Esse post foi publicado em Brazilian Jiu-jitsu. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s